logo
barraCinza
barraBranca

Sebastião Salgado – O sonho de vencer: motivação e perseverança

 

 


Por Lauro Patzer


 

Por uma iniciativa da jornalista e professora Daniela Aspis e com apoio da Supervisora Pedagógica, Eliane Cristina Araujo Schneider , no dia 31 de março, terça-feira, Themis Pereira de Souza Vianna, assessorada por Laura Lair Patzer, realizou três palestras para três turmas distintas na Escola Muncipal Presidente João B.M. Goulart, em Porto Alegre (a palestra é uma das ações que o educandário vem realizando dentro do projeto ECO-ESCOLA).

O tema foi sobre a obra de Sebastião Salgado, um dos maiores fotógrafos brasileiros, atualmente radicado em Paris. A palestrante destacou as virtudes do fotógrafo como exemplos de vida: o sonho de vencer, tornando isso possível através da motivação e perseverança. Salientou também seu grande empenho na preservação das florestas e da fauna, tendo por modelo, uma fazenda padrão em Minas Gerais. 

Themis contou que o descobriu em um livro em Londres, quando tinha 19 anos, e ficou impressionada com a sua capacidade fotográfica. Desde então, de forma perseverante, buscou um contato com ele, além de ter escolhido uma de suas obras, Êxodos, como tema do trabalho de conclusão de curso.

Sua persistência realizou o seu sonho, foi recebida pelo seu ídolo no escritório na capital francesa. 

          

De economista à fotógrafo e ecologista

O curioso na vida de Salgado é que ele formou-se como economista e chegou um momento em que decidiu  trocar a profissão para dedicar-se à fotografia. Com o foco, porém,  nos grupos humanos massacrados pela miséria e abandono. Para isso viajou à África, onde documentou cenas impressionantes com fotos em preto e branco, que lhe chegaram render prêmios internacionais. Esse seu propósito está bem definido no livro Êxodos como "a história da humanidade em trânsito". Sebastião tem o mérito de ter acompanhado parte da guerra étnica entre os hutus e tutsis, o genocídio em Ruanda, África em 1994. Além do massacre naquela parte do continente, a morte de fome foi tão grande que foi preciso abrir valas com trator para empurrar os corpos como se fossem escombros

 

   

Foto de Sebastião Salgado: Crianças angolanas abandonadas em cima de trilhos igualmente abandonados.

 

O interesse de Themis Pereira de Souza por Sebastião Salgado. 

Themis contou aos alunos e professores presentes: "Conheci o seu trabalho em um museu de Londres, onde estava exposto um livro, que chamou atenção, peguei-o, apalpei-o e li o seu título: WORLD PRESS PHOTO THIS CRITICAL MIRROR, editado por Sebastião Salgado e Stephen Mayes. Achei muito interessante aquelas fotografias em preto e branco retratando cenas da miséria humana. Fiquei impressionada e disse comigo mesma: ´um dia terei que conhecê-lo´. Eu, na ocasião tinha 19 anos, e estava estudando na Inglaterra. Minha admiração por ele aumentou à medida que fui conhecendo a sua obra e ao saber, essa mudança de vida de economista à fotógrafo, essa dedicação à arte fotográfica e, também, a sua preocupação com os problemas ecológicos do planeta".

 

 

 Foto: Sebastião Salgado.Crianças no Zaire contemplando apáticas e com indiferença a cena de morte.

 

O trabalho de Sebastião Salgado em várias áreas

A palestrante discorreu sobre as várias ambrangências do trabalho de Sebastião Salgado. "Começo minha palestra destacando a sua dedicação ao fotojornalismo, optando por imagens em preto e branco para realçar a face oprimida da humanidade. Salgado perseguiu durante anos os grupos migrantes dos refugiados e das pessoas deslocadas em diferentes partes do mundo, principalmente na África, onde as guerras tribais provocam genocídios étnicos. Por exemplo, na Ruanda, calcula-se um massacre de 800 mil pessoas. As guerras tribais provocaram  fome, miséria e epidemias. Esse pesadelo se repetiu no fim da década de 80 nos Bálcãs, na Europa, com as migrações dos povos com a queda do comunismo. Destes fatos, Salgado, com sua câmera, em boa parte, foi testemunha ocular".

Prosseguiu, Themis: "Uma vez engajado na fotografia, fundou em 1994 a sua própria agência de notícias, AS IMAGENS DA AMAZÔNIA , que representa o seu trabalho. Salgado tem o apoio de  sua esposa LÉLIA WANICK SALGADO, autora do projeto gráfico da maioria de seus livros. Portanto, o seu trabalho vai além da fotografia. Publicou vários livros, entre eles, Êxodo, Gênesis, África, Serra Pelada. Atualmente ele está envolvido junto com a esposa em um trabalho para a educação e recuperação ambiental. Relata que a floresta restaurada por ele abriga, hoje, mais de 293 espécies vegetais (608,89 hectares recuperados), onde mais de 1,5 milhão de mudas de árvores foram plantadas. E há um viveiro com cerca de um milhão de mudas novas a cada ano. Não esquecendo o Instituto Terra", afirmou Themis.

 

     

Foto: Sebastião Salgado. Fome, miséria e migração sem destino.  


 

O encontro com Sebastião Salgado

"Não foi fácil. Ele é uma celebridade e uma pessoa bastante ocupada, além disso, cercado pela própria família que cuida do seu trabalho", falou Themis. Prosseguiu: "Em um e-mail datado de 14 de junho de 2012, recebi como resposta, entre outras frases, essa observação: "Com o tempo completamente tomado na finalização do seu projeto Gênesis, a possibilidade de encontrá-lo e muito remota". O e-mail foi assinado por Marcia Navarro Mariano. Em outras palavras, significava um não. Mas eu não me dei por vencida. Perseverei no meu propósito de chegar até ele em Paris, no seu local de trabalho. Houve muitas trocas de e-mails, sempre assinados por outros. Mas chegou o dia de ir a Paris e estabelecer o contato. Fui bem recebida por ele e sua família. Tiramos várias fotografias. E depois publiquei o meu trabalho de conclusão de curso em forma de livro, sem qualquer caráter comercial, com o título: A Fotografia de Sebastião Salgado: Com ênfase na exclusão social registrada na obra Êxodos". 

 

Themis entre Lélia e Sebastião Salgado no dia 26 de junho de 2012, no escritório em Paris.

 

              Sebastião Salgado autografando para a Themis o seu livro África, 26 de junho de 2012, em Paris.

 

Sobre o futuro

"Sempre digo que podemos tornar reais nossos sonhos. Como falei anteriormente, durante muitos anos sonhei conhecer Sebastião Salgado. Tudo foi difícil, quase impossível. Mas de tanto persevar na ideia (e por persevar eu entendo dedicação plena com muito trabalho), chegou o dia, isto é, no dia 26 de junho de 2012, consegui ser recebida por ele em seu escritório em Paris. Meu sonho agora é fazer livros, publicar a minha revista, fazer crescer a minha Empresa EXCLUSIVE Brasil Mundo e poder contribuir com saber e cultura à sociedade em geral.

Acho que de tudo isso está mais do que confirmada a lição: podemos tornar reais os nossos sonhos. O notório é que, quase sempre, há barreiras com a palavra "não". Ou seja, as portas fechadas para qualquer empreendimento são muitas. Lembro-me de uma frase de Platão: "A virtude dos grandes homens é a perseverança." Significa, continue, insista, não pare! A história da atriz Bárbara Streisand é parecida. Ela foi a Hollywood e quis ser artista de cinema. Deram-lhe uma vassoura e um balde para limpar os estúdios. Aceitou o trabalho, mesmo tendo sido um deboche. Mas, um dia chegou o convite de estar à frente das câmeras. Não foi uma atriz qualquer. Um dia ela chegou ao Oscar. Acredito na perseverança. Acho que é uma virtude que os pais devem educar os seus filhos e a escola os seus alunos.

 

Alfred Längler escreveu: "Todo o homem pode fazer algo de sua vida e de si próprio". Mas há os que cruzam os braços e esperam pelos outros. São os eternos caroneiros, para não dizer parasitas. O esforço, a persistência e a responsabilidade pessoal valem para qualquer pessoa, qualquer sociedade. Feliz a pessoa que recebe essa educação. E grande é a nação cujos cidadãos convertem esses princípios em valores culturais", concluiu Themis.

 

Themis ao centro, ao lado da assistente  Laura Patzer  e alunos da Escola Presidentes João Goulart de Porto Alegre, após a palestra.

 

 

.

 

 

Amazônia - África - Fotografia - Lauro Patzer - Miséria - Sebastião Salgado

institucional anuncie contato