logo
barraCinza
barraBranca

O Pampa Gaúcho e a história da melhor carne do Mundo

 

Por Martim Luiz Teixeira da Luz

 

Os primeiros exemplares de gado vacum foram trazidos para a América do Sul pelos padres jesuítas lá por volta do ano de 1600.

A Companhia de Jesus era uma ordem religiosa diferenciada, pregava que a felicidade do ser humano tinha que acontecer primeiro na terra para depois atingir sua plenitude no céu.

Os seguidores de Ignácio de Loyola, ao contrário de outras ordens, eram escolhidos e recrutados na elite intelectual da juventude europeia. Eram homens preparados que, sem descuidar da espiritualidade, usavam a materialidade para atingir seus objetivos evangelizadores.

Para a realização de sua utopia buscaram lugares ermos e territórios intocados distantes do homem branco e seus hábitos, usos e costumes deteriorados.

Para implantar esta que foi a primeira grande aventura humana para se criar um mundo novo vieram homens altamente preparados pela filosofia e teologia, mas também com domínio da técnica da ciência e da arte. Com eles também chegou a criação de bovinos para o  trabalho e alimentação. Vieram da Europa ventres e reprodutores de excelência, pois recursos financeiros não faltavam à Companhia de Jesus. Formaram-se no atual Rio Grande do Sul imensas fazendas de criação de gado. Nestes tempos não havia cercas, e a terra não tinha dono. A mais avançada foi a Estância de Santa Tecla, que se estendia até o atual município de Bagé.

Por razões de ordem política e tendo por pano de fundo o tratado de Madri foram os jesuítas daqui expulsos pelo Marquês de Pombal, Ministro plenipotenciário de Portugal. As reduções “povoados” foram destruídas, os padres deportados, os índios dizimados, mas ficou o gado, que se espalhou  pelo território e, se reproduzindo, formou manadas com muitos animais.

Este gado abandonado passou a se guiar por seu próprio instinto, e os animais em seu processo evolutivo, orientados tão somente pela natureza, pastando andando e ruminando fizeram desta região o seu habitat.

Era o chamado gado Chimarrão, animais soltos em estado selvagem, que propiciou a primeira atividade pecuária na província de São Pedro: a caça ao gado, o qual abatido se aproveitava como resultado econômico tão somente o couro de alto valor na Europa. Depois vieram os sesmeiros, privilegiados pelo Rei, que receberam por serviços prestados à Coroa grande extensões de terras, que se estendiam por léguas e léguas, todas povoadas pelo gado já introduzido nesta província.

Indo ao encontro do fenômeno natural da grande concentração de animais, se formaram as estâncias de criação extensiva, até porque outra atividade econômica não era possível devido principalmente às grandes distâncias dos centros de consumo.

Passado todo este tempo, a técnica e a ciência buscaram a explicação para a proliferação e concentração do gado nesta região, que baliza a vocação para esta atividade econômica de produção de proteína para consumo humano.

A explicação do fenômeno foi dada pela própria natureza estudada: grandes extensões de terras planas, intensa luminosidade, quatro estações bem definidas, mananciais de água em abundância e precipitação pluviométrica regular construíram ao longo de milhões de anos o Bioma Pampa. Sistema de vegetação único na terra, composto por mais de 5.000 espécies vegetais entre gramíneas e leguminosas com vocação pastoril.

Ao longo do tempo foram se formatando os modelos de produção pela ação positiva do homem e pelo uso da técnica. Também vieram os primeiros visionários, como Antônio Ribeiro de Magalhães, Joaquim de Assis Brasil, entre outros. Avançados no seu tempo cuidaram de aprimorar a genética dos rebanhos, importando raças desenvolvidas na moderna Europa, em especial de origem britânica. Estes animais tinham como característica, além da adaptação ao Bioma Pampa, a vocação de produção de uma carne de alta qualidade. O clima temperado desta região permitiu que aqui se desenvolvesse a criação de animais denominados Bos Tauros e que os gaúchos sul-americanos criassem as raças Angus, Hereford, Devon, etc... E suas carnes maravilhosas.

Assim, foi se aprimorando a pecuária de excelência que temos hoje e marca uma tendência no Brasil e no mundo de cada vez mais buscar produtos de alta qualidade. Cabe ao Pampa Gaúcho produzir esta carne de alta gastronomia que é referência de qualidade em todo o mundo e objeto de desejo de todos os chefs e consumidores exigentes espalhados pelo planeta.

Gastronomia

institucional anuncie contato